O Estado considera a imprensa livre uma ameaça.

Ir em baixo

O Estado considera a imprensa livre uma ameaça.

Mensagem por Cimberley Cáspio em Seg 5 Mar - 14:01

O Estado ainda considera a imprensa livre uma ameaça.

Jornalista russa conta sua jornada

As pressões e ameaças do governo

Leia o texto traduzido do Nieman Lab



Milhares protestam em Grozny, na Chechênia. País é 1 dos mais perigosos por onde a jornalista russa passouMinistério do Interior da República da Chechênia/ Via Fotos Públicas - 19.jan.2015


por Christine Schimdt - Poder360 - Nieman Lab

Elena Milashina, que estudou música na faculdade, planejava escrever sobre arte e cultura quando foi contratada pela Novaya Gazeta (“Novo Jornal”) em 1997. Ao invés disso, ela se tornou uma jornalista investigativa, relatando o papel do governo russo em tragédias, incluindo as mortes de 118 pessoas a bordo do submarino Kursk e de 168 crianças no ataque a uma escola em Beslan em 2004 e a campanha de repressão anti-gay na Chechênia no ano passado.

Milashina falou na Nieman Foundation em fevereiro após receber o Prêmio Louis M. Lyons de Consciência e Integridade no Jornalismo. Ela foi escolhida pela classe de 2018 de Nieman fellows por sua inovadora e persistente cobertura investigativa de abusos aos direitos humanos na Rússia enquanto enfrentava ameaças de poderosas figuras públicas.

Durante sua fala, ela destacou que teve a sorte de iniciar a carreira no jornalismo durante a “era dourada da mídia russa”, o período curto nos anos 1990 após Boris Yeltsin assumir o poder quando o país tinha uma imprensa livre.

Trechos editados:

Sobre a cobertura do desastre Kursk

Kurk [quando um submarino russo explodiu e afundou em 2000, matando todas as 118 pessoas a bordo] foi minha primeira grande história. Talvez eu seja a única jornalista na Rússia que ainda se importa com o que aconteceu naquele agosto de 2000. A decisão da Corte europeia foi muito importante para a mídia russa, pois autoridades russas tentavam me proibir de escrever essa história. [Em outubro de 2017, a corte europeia de direitos humanos decidiu que a Rússia havia violado os direitos de livre expressão da Novaya Gazeta. Logo antes, um tribunal distrital de Moscou havia decidido contra o jornal.]

Eu nunca me esqueço das minhas histórias, meus heróis, não importa que as outras pessoas não prestem atenção. Eu ainda acho que é muito importante colocar todas as peças juntas e explicar o que realmente aconteceu naquele desastre.

Sobre a morte de colegas

Muitos jornalistas sabem do assassinato de Anna Politkovskaya em 2006, a jornalista russa mais famosa no Ocidente, mas ela não foi a primeira jornalista da Novaya Gazeta a ser morta. O primeiro foi meu editor Igor Domnikov, em 2000, por seus textos sobre a corrupção russa. Dois anos depois, o jornalista investigativo Yuri Shchekochikhin, que também escrevia sobre a corrupção russa, foi morto.

Em 2009, minha querida amiga Natalya Estemirova [uma ativista de direitos humanos e contribuinte frequente da Novaya Gazeta] foi sequestrada e baleada um dia depois de eu ter deixado seu apartamento. Naquele mesmo ano, minha colega Anastasia Baburova e o advogado de direitos humanos Stanislav Markelov foram assassinados em Moscou.

A principal conclusão à qual cheguei enquanto perdia meus amigos e colegas desta forma foi que as autoridades russas não farão nada para encontrar e punir aqueles que os mataram.

A única coisa que posso fazer para parar [os assassinatos de jornalistas na Rússia] é continuar a trabalhar para que as pessoas que matam jornalistas entendam que sempre haverá outro jornalista que tomará a frente e continuará o trabalho.

Sobre o medo na Chechênia

Se algum dia você quiser sentir como era a vida das pessoas na época de Stalin, vá morar na Chechênia agora e você entenderá como assustadora a vida pode ser. É tão assustador que até pessoas em outras partes da Rússia não conseguem imaginar como é a vida dos habitantes da Chechênia.

Quando Anna Politkovskaya foi para a região, as pessoas faziam filas para falar com ela, contar suas histórias e ela foi a voz dessa gente. Dez anos depois, quando eu visitei a região, as pessoas não ousavam falar com jornalistas pois sabiam que seriam punidos no dia seguinte.

Sobre a campanha anti-gays

Na Chechênia, o líder fala publicamente que sua principal missão é limpar o sangue checheno de gays, defensores dos direitos humanos, jornalistas e usuários de drogas.

Minha cobertura começou com a história de um homem que foi morto- ele era da televisão, um apresentador. Enquanto eu tentava confirmar as informações sobre a sua morte, descobri que a única razão de ter sido morto era a homossexualidade. Ele não foi o único. Todo mundo ficou chocado. Não apenas o mundo, mas até o governo russo. O escritório de Putin nos ligou pedindo informações sobre todos os fatos e nomes.

Essa história foi muito difícil de escrever. Eu não podia usar os nomes das vítimas, nem daqueles que morrem, e nem daqueles que sobreviveram. A sociedade chechena é muito conservadora e é melhor ser morto do que ser chamado de gay.

Levou muito tempo para confirmar as informações com as minhas fontes e decidir que eu estava pronta para publicar a história. Nós a publicamos e conseguimos salvar muitas pessoas. É a única coisa que conseguimos fazer. As autoridades chechenas permanecem impunes.

Muita gente me pergunta: “Por que está fazendo isso? É perigoso.”Sim, é perigoso para mim. Mas eu me pergunto: se não for eu, quem continuará isso?

Algumas vezes é muito mais difícil e muito mais importante continuar a escrever sem obter nenhum resultado, esperando que um dia o sistema caia.

Minhas fontes diziam que centenas foram detidos e colocados em campos de concentração por serem gays. Antes mesmo de publicarmos as primeiras histórias, nos unimos com uma organização LGBT de direitos humanos na Rússia. Convidamos as vítimas a escreverem para nós. Depois de duas semanas da primeira publicação, nós havíamos recebido mais de 100 pedidos de ajuda.

O próximo passo era colocar pressão nas embaixadas e no Ministério de Relações Exteriores de diferentes países para darem vistos para essas pessoas que não estavam seguras na Rússia. O único jeito de salvá-las era a evacuação para outros países. O Canadá e a Latvia tomaram a frente e disseram: “Vamos receber essas pessoas.” Alguns outros países, como os Estados Unidos, disseram: “Não podemos ajudar com isso. Desculpa.” A Suécia também disse que não poderia ajudar. Nós conseguimos ajudar mais de 120 pessoas. Elas deixaram a Rússia sob condições especiais pois receberam um visto e asilo muito rapidamente.

Recentemente eu fui ao Canadá, onde conseguimos realojar mais de 40 sobreviventes gays. Eles ainda acham que há algo de errado com eles, que são doentes, que machucaram suas famílias. Eles se sentem culpados, mesmo sendo pessoas brilhantes. Pelo menos eles não têm mais medo. Essa é a primeira vez em minha carreira em que uma história salvou tantas pessoas.

Jornalistas estrangeiros trabalharam muito para espalhar essa história ao redor do mundo e obter essa reação global. O governo russo, pela primeira vez em 10 anos, decidiu iniciar a investigação dessas mortes extrajudiciais na Chechênia. A investigação não resultou em nada, mas ainda assim foi uma grande conquista.

A solidariedade pode sempre ajudar e eu acho que é uma das coisas preciosas que aconteceram com essa história. É uma bonita lição que aprendi. O jornalismo solidário pode mover montanhas.

Sobre potenciais mudanças na Rússia

Com 40 anos já posso ver que mudanças estão acontecendo. Elas não são rápidas. Algumas vezes elas não vão na direção que desejamos, mas a situação está mudando.

Nós provavelmente nunca teremos o tipo de imprensa livre que vocês conhecem, ou conheciam, nos EUA, ou no mundo ocidental. Nós definitivamente teremos algo conectado à Internet. Os jovens provavelmente criarão formas diferentes de mídia.

O Estado ainda considera que a imprensa livre é a principal ameaça contra eles. Eu espero que algum dia isso mude, mas isso não depende do governo e sim das pessoas. Antigamente, nos anos 1990, as pessoas não lutavam e nem davam grande valor a isso. Era simplesmente dado a elas e rapidamente a perderam. Eu espero que a nova geração da população russa pressione o governo.

Se quiserem saber a verdade, a situação na Rússia é que você tem as fontes e a oportunidade de saber tudo. Você só deve querer saber a verdade. Essa é a única condição.

Sobre o controle estadual da Internet

Nos últimos anos temos visto que o Estado anda se esforçando muito para controlar a Internet. Eles aprovam leis que permitem que o governo aprisione alguém que poste alguma coisa, o que é ridículo porque temos uma Constituição que propaga a liberdade de opinião e expressão. Muita gente está na prisão, por um ou dois anos, porque postou alguma coisa que o governo considera uma ameaça.

Eu também vejo que o governo está sempre atrasado quando se trata de tecnologia. Por exemplo, recentemente o governo desativou o Navalny Media, o site do líder da oposição, Alexei Navalny. Todos ainda estão assistindo esse portal acessando-o por redes virtuais privadas. Então, embora o governo vede o website, todos ainda têm a oportunidade de acesso.

Sobre onde colocar limites

A Novaya Gazeta obviamente delimita sobre o que as reportagens cobrirão e eu também. Estou falando de um jornal único. Eu não sei por que a Novaya Gazeta sobreviveu durante 20 anos. A pressão do governo nunca foi um limite.

Meus limites são as minhas fontes. Trabalho numa região muito frágil onde pessoas poderiam morrer por conta de um erro meu. Muitas vezes já recusei histórias por terem somente uma fonte e se seu nome fosse publicado, seria morta. Não aguento esse tipo de responsabilidade.
avatar
Cimberley Cáspio


Mensagens : 94
Data de inscrição : 24/01/2018

Ver perfil do usuário http://Antena Bibarrense de Notícias - caspiojornalista@gmail.co

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum
MensagensUsuários registradosÉ o novo membro